MULTI AUTORIA E CONTROLO LINGUÍSTICO DE TEXTOS

Parceria entre o revisor do cliente e o tradutor/terminologista da Eurologos

A denominada tradução prática – a de textos de comunicação institucional, técnicos, publicitários ou comerciais – envolve frequentemente uma múltipla paternidade: do autor inicial, do tradutor, do revisor, do terminólogo, da ajuda de software (automatic memory translation, like Trados or Systran, for example), do linguista homogeneizante e, obviamente, do muito importante revisor do cliente.
Assim sendo, o texto poderá ter cerca de meia dúzia de pais!
Recomendamos, assim, que coopere activa e produtivamente desde o início no interesse da beleza e perfeição da criança que irá nascer como, por exemplo, se o texto respeita os geo-estilos necessários: uma paternidade ciente numa parceria inteligente.
As estéreis disputas entre linguistas devem ser evitadas a todo o custo. Por outro lado, é necessário dar prioridade absoluta à satisfação dos interesse do Cliente (e do texto) e não entrar num entediante confronto de egos linguísticos. Ao passo que o revisor do cliente deverá abster-se de introduzir correcções do autor no texto (modificações morfológicas e semânticas ao texto original), o tradutor deverá reequilibrar o texto gramaticalmente, de forma a corrigir os erros inadvertidamente cometidos pelo revisor do cliente. De facto, ao passo que é necessária uma múltipla paternidade do texto durante a sua produção inevitavelmente complexa, o aperfeiçoamento final deverá ser efectuado apenas por um único tradutor-revisor.